Authors Posts by Jhessica Fernandes

Jhessica Fernandes

8 POSTS 0 COMENTÁRIOS

O câncer de mama é o tipo mais comum nas mulheres, representando 25% dos casos novos

Alguns dos alunos participantes do projeto. (Foto: Arquivo Pessoal).

Na última semana (23) a turma de enfermagem do Centro Universitário Módulo, juntamente com a coordenadora do curso Ana Flora Gobbo e as professoras e enfermeiras Shirley Marcondes e Lidiane Dias, realizaram a Campanha do Outubro Rosa.  Foram 65 pessoas doadoras de cabelo e as mechas serão destinadas ao Instituto do Câncer do Estado de São Paulo – ICESP.

Durante o dia do projeto, que funcionou pela manhã das 9 às 11 horas e à noite das 19 às 22 horas, foram distribuídas senhas. A distribuição só parou porque o número de interessados era maior do que o tempo que os profissionais dispunham para realizar os cortes.

No dia, todos podiam participar. Era só chegar e pegar uma senha e esperar os cabeleireiros voluntários, que somavam em três profissionais: Daniela, Vicente e Gisele que é aluna de enfermagem. “Ainda não sabemos quantas perucas vão ser feitas através das doações. O Instituto vai informar depois, quantas conseguiram produzir”, disse Lidiane.

Doadores, alunos e voluntários no dia da Campanha do Outubro Rosa. (Foto: Arquivo Pessoal).

A ideia do projeto partiu de uma postagem que as professoras viram em uma rede social e pensaram que poderiam fazer algo parecido no Módulo. “Em torno de 20 dias, nós já organizamos tudo. Foi muito rápido. Vimos a ideia e passamos para coordenadora, que aprovou”, explicaram as professoras.

Na sexta-feira anterior ao evento, os alunos do curso de Enfermagem foram às salas da universidade, para anunciar a campanha, como aconteceria e seu objetivo, que era principalmente a conscientização do câncer de mama e a doação de cabelos para confecção de perucas destinada as mulheres portadoras da doença.

Mariana Medeiros e sua mãe Selma Medeiros no dia da doação das mechas. (Foto: Arquivo pessoal)

“O privilégio de saber que posso proporcionar a felicidade e a melhora da autoestima da mulher em um momento tão delicado, que é o tratamento do câncer, trazer o sorriso de volta a ela e transmitir carinho e amor pelas mechas do meu cabelo, não há preço que pague!”, citou Mariana Medeiros, 20, estudante de enfermagem que levou sua mãe Selma Medeiros, 55, para doar junto com ela.

“Em uma conversa com os alunos, eu disse que nosso cabelo cresce de novo. Eu tive um filho com câncer, que se incomodava muito com o fato de ser careca. Ele dizia ‘mãe as pessoas estão me olhando’. Eu sei como é”, lembrou Shirley.

65 mechas de cabelo foram doadas ao todo na campanha. (Foto: Jhessica Fernandes).

O câncer de mama é a segunda doença que mais causa morte de mulheres no Brasil segundo o site IBRADOC (Instituto Brasil Doméstico Cidadão), em primeiro lugar são as doenças cardiovasculares. É fundamental que a população seja orientada, através de campanhas, focando na prevenção e mudanças de hábitos.

Para o Brasil, em 2016, eram esperados mais de 57 mil casos novos de câncer de mama. O câncer de mama corresponde a cerca de 25% dos casos novos a cada ano. Especificamente no Brasil, esse percentual é um pouco mais elevado e chega a 28,1%, conforme registra o site INCA. Ainda segundo o site, é importante a mulher fazer o autoexame,  mamografia regularmente, principalmente após os 40 anos de idade, e seguir todas as orientações e instruções médicas.

Em relação ao novembro azul, as professoras disseram que a comunidade acadêmica pode ficar no aguardo, já que haverá uma campanha voltada ao mês de prevenção e conscientização do câncer de próstata. “É segredo ainda, mas assim que for aprovado pela reitoria, será divulgado o projeto”, diz Ana Flora.

E no ano que vem a coordenação do curso de Enfermagem pretende repetir a Campanha do Outubro Rosa. “Principalmente devido ao sucesso. Pensamos até em fazer dois dias, mas preferimos guardar um pouco do gás para o Novembro Azul”, completou Lidiane.

A afirmação é da gerente de Comunicação e Marketing da Cruzeiro do Sul, Mary Wakabara, que falou para alunos do Módulo

Mary detalhou algumas das estratégias desenvolvidas pelo grupo que comanda na Cruzeiro do Sul (Foto: Jhessica Fernandes)

A maneira como as empresas atualmente lidam com a era digital e como devem agir para estar a frente dos concorrentes, foram o tema principal abordado pela gerente de comunicação e Marketing da Cruzeiro do Sul Educacional, Mary Wakabara, na palestra de quinta-feira (21/09) durante a Semana institucional. A profissional falou para os alunos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda do Módulo.

Mary atua na administração de todo o marketing digital, institucional e midiático da Cruzeiro do Sul Educacional, mas antes trabalhava na área da comunicação em outra empresa, porém na TI (Tecnologia da Informação).

Em relação às mídias sociais, a gerente disse que são uma via de mão dupla e que temos que tomar muito cuidado com o que falamos, porque as pessoas podem entender de outra forma. “Não estamos falando apenas com o aluno, e sim com o amigo do aluno, a mãe etc. É um mundo à parte, em que as empresas estão aprendendo constantemente como lidar”.

Antes de sua apresentação, Mary resumiu ao FocaNaWeb o objetivo de sua palestra: mostrar como está estruturada a diretoria de marketing do grupo, os pilares em que atuam, além de exibir algumas campanhas das instituições de ensino do grupo.

Mary, que já fez palestras em outras unidades da  Cruzeiro, disse que aprecia poder mostrar a visão do grupo educacional para os alunos. “Conhecer um pouquinho mais do nosso estudante é o resultado que a gente consegue ter nas palestras, recebendo o feedback de algumas ações que realizamos”, finalizou.

 

0 115

O trio de cordas se apresenta em pontos estratégicos na cidade

Projeto Difusa em uma das apresentações na Rodoviária. (Fotos: Arnaldo Klajn - PMSS)

O “Projeto Difusa” chamou atenção em São Sebastião, na rodoviária, na abertura do JORI (Jogos Regionais dos Idosos) e até mesmo na fila da balsa. O trio de cordas vem com intuito de difundir a arte e a música com intervenções pela cidade.
Liderado por Raphael Tavares, 28, músico e empresário, o projeto nasceu em 2011 e é independente, mas só em 2017, após a Rota dos Sabores (evento gastronômico que ocorreu em São Sebastião) é que conquistaram um contrato com a prefeitura.
O grupo é formado atualmente por Raphael Tavares, no violino, César Oliveira, no contrabaixo acústico e Gustavo Rocha, no violoncelo. “Nossa missão é levar a música a quem quer que seja. Na rua, rodoviária, fila da balsa, praças, palcos, teatros. Não importa onde, desde que a música seja ouvida e apreciada do mais pobre ao mais rico, sem distinção!”, diz Raphael.

Alguns dos integrantes do grupo em um ensaio fotográfico do Projeto Difusa. (Foto: Arquivo Pessoal)

Com o resultado positivo do Rota dos Sabores,  a SECTUR – Secretaria de Cultura e Turismo convidou o grupo para continuar com as músicas na rua. O contrato, que já havia sido renovado uma vez, conta com quatro apresentações cada.  No momento os integrantes aguardam por um terceiro contrato.
Para Raphael, não só em São Sebastião como no Brasil, é bem difícil viver da arte e da cultura. “O segredo é estar sempre se reinventando e procurando se destacar dos demais – que é o que eu faço –  e tem dado certo há mais de 15 anos. Infelizmente não vivemos num país onde a arte/cultura são vistos com alto grau de importância”, complementa.

De acordo com César Oliveira, 25, professor particular de inglês que está no Difusa desde 2015, o projeto não mudou apenas cotidiano de quem passava pela rodoviária. “Mudou bastante minha vida, principalmente porque comecei a tocar um instrumento que eu não havia tido contato prévio. Eu tenho aprendido bastante, pois o contrabaixo demanda mais estudo e postura do que a guitarra”, disse explicando sobre o instrumento que tem costume de tocar.

César avalia que a experiência de se apresentar na rua é única. “Tocar na rua é muito enriquecedor, pois consigo ver nos olhos das pessoas uma admiração que não é comum. O público tem  contato com obras clássicas e populares com uma roupagem diferente, e isso faz despertar o interesse das pessoas”.

0 161

As duas chapas destacam a necessidade de criação do plano de cargos, carreira e salários

Candidatos das duas chapas durante eleição da comissão eleitoral 2017. (Foto: divulgação).

Dia 13 de setembro acontecerá as eleições do novo presidente do Sindserv (Sindicato dos Servidores Públicos de São Sebastião). Sindicalizados elegeram na primeira semana de agosto, na sede central, a comissão eleitoral do sindicato. Ao todo, 79 sindicalizados participaram e elegeram para a comissão: Luciana dos Santos, com 24 votos, Francisco Ferreira Bonfim, com 18, e Ocimar Barbosa, com 16.

A comissão eleita em agosto deve amparar a presidente do pleito na condução de todos os processos eleitorais realizados, como julgar as impugnações de candidaturas, os recursos e as petições das chapas concorrentes, de acordo com o regulamento.

A candidata da chapa um, Audrei Guatura, 43, servidora municipal no cargo de Agente de Combate as endemias e atual presidente do Sindserv. Desde 2011, decidiu participar diretamente das ações do sindicato, mas só em 2014 foi eleita presidente.

O candidato da chapa dois, Paulo Henrique, 39, atualmente é assistente de pessoal e advogado, mas também é servidor público desde 1998. Formado em Direito, já foi eleito membro da CIPA, Secretário de Governo, Secretário de Educação, Chefe de Gabinete, Vice Prefeito e Vereador.

Para Paulo, uma das propostas de melhoria no sindicato seria “elaborar, em parceria com a administração, o Plano de Cargos, Carreira e Salários”. Para Audrei, esse ponto também é destaque. “Garantir a efetiva implantação da criação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS), dos Estatutos do Magistério e da Guarda Civil Municipal (GCM), que já estão em andamento”, explica a candidata.

Quando se tratou de prioridades para o sindicato, Audrei citou que é estar em constante luta pela garantia dos direitos dos trabalhadores, sempre buscando melhores condições de trabalho e a valorização de toda a categoria. Já Paulo, diz ser, lutar pela valorização do servidor público.

Recentemente foi enviada à Câmara de São Sebastião, pela atual gestão administrativa, a proposta visando alteração no artigo 95 do estatuto, que trata da junta médica. As duas chapas se mostraram em desacordo com a atitude do governo, pois não é correto mudar a Lei Complementar 146/2011 sem consultar o Sindicato dos Servidores que é o representante legal da categoria.

Discussão durantes as normas da eleição 2017

Segundo o site do sindicato, em uma reunião para estabelecer as regras da eleição 2017 do Sindserv, que aconteceu na semana passada, houve uma discussão entre as chapas onde supostamente foram agredidos o advogado do sindicato e a atual presidente, Audrei Guatura.

Ainda de acordo com o site, a agressão partiu da chapa dois e um dos eleitos da assembleia e demais funcionários tiverem que intervir na situação. “Se exaltou no momento que a presidente resolveu unilateralmente alterar o que tinha sido decidido na reunião anterior. A única falha dele (um dos membros da chapa dois) foi com relação a ter empurrado a porta da sala e que o candidato a Vice Presidente da Chapa 01 também empurrou a porta”, afirmou Paulo Henrique.
Paulo Henrique não estava no momento dessa suposta agressão, pois o Regimento Eleitoral só permite que a atual gestão participe na qualidade de presidente do pleito. No entanto, ele disse ter ouvido ambos os lados. Contou ainda que solicitou que façam o ressarcimento caso tenha ocorrido algum dano. “Eu disse que não concordo com qualquer tipo de agressão ou dilapidação do patrimônio”, completou. Referente à discussão ocorrida, até o fechamento desta matéria, Audrei Guatura não havia se pronunciado.

 

0 321

Pesquisa indica que 58% da população brasileira usam a internet: mais de 100 milhões de pessoas.

Políticos recorreram, no último pleito, a profissionais especialistas no uso das mídias sociais. (Foto: Reprodução)

A internet é um meio social muito utilizado dentro de campanhas e mandatos políticos e no litoral norte de São Sebastião não é diferente. Alguns vereadores da região admitem que as redes sociais foram fundamentais para o aumento do número de seus eleitores no último pleito.

A pesquisa do TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação), sobre domicílios, feita em 2015 – mede a posse, o uso, o acesso e os hábitos da população brasileira em relação à internet. O levantamento indicou que mais de 100 milhões de brasileiros têm acesso à internet. A proporção é 5% superior à registrada nos dados de 2014.

“Para mim, o melhor trabalho é o de rua, porém quando digo ser inevitável o trabalho na internet, é pelo fato de existir grande porcentagem de pessoas que estão mais conectadas via web, do que pessoalmente”, diz o vereador Ernaninho (PSC), que foi eleito nos três últimos mandatos, com número crescente de votos: em 2008, foram 846 sufrágios; em 2012, o número foi de 1080 votos, sendo que na última eleição, em 2016, o vereador obteve 1.106 votos.

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral), na eleição de 2016 atualizou a legislação, o que dificultou a divulgação de campanhas. Foram proibidas as propagandas por intermédio de alto-falantes, showmícios, outdoors, brindes, entre outras formas de divulgação. A lei também impediu qualquer publicidade antecipada.

Em função do novo cenário, a opção foi apelar para as redes sociais. Elas foram aliadas de todos aqueles que dominam suas funções. “Nas outras campanhas, não, mas nessa última utilizamos bastante às redes sociais, que foi essencial nos resultados. Hoje tenho uma pessoa que trabalha só nesse tema”, diz o vereador pastor Elias (DEM), eleito em 2016, com 837 votos, praticamente o dobro dos 343 conquistados na eleição de 2008.

Segundo o analista de Marketing Digital, Yagu Oyama, as redes sociais surgiram como meios de grande influência em vários segmentos. Na atividade política, essas ferramentas estão contribuindo de forma intensa na construção da imagem. Hoje, os políticos jamais podem ignorar esse poderoso meio de comunicação, que também permite ao político prestar contas das atividades e ações de seu mandato.

“Vale lembrar que a interação com os eleitores através das redes sociais proporciona uma fonte inesgotável de sugestões e novos pontos de vista, que retroalimentam e mantêm a interação e o engajamento  imprescindível à campanha”, completa Oyama.

De acordo com o analista de Marketing Digital, os políticos não podem subestimar o poder das redes sociais e muito menos trabalhar no improviso ou amadorismo por que tais atitudes podem trazer sérios danos para a imagem do candidato ou “queimar o filme” do mesmo.

0 662
Time que conquistou a 14° taça do campeonato de malha, ASSEM (Associção dos Servidores Municipais de São José dos Campos). (Foto: Arquivo Pessoal)

Fundado em 1992 São Sebastião o tradicional Clube da Malha completa 25 anos em julho, mas com o repasse de verba para o projeto atrasado há mais de um mês, o clube pode acabar sem continuidade, relata o presidente do Clube, Paulo Lindberg.

 

Para ele, que é empresário em São Sebastião e jogador desde a fundação do Clube da Malha de São Sebastião, é um pouco difícil popularizar e divulgar a modalidade por causa da falta de veículos de comunicação na cidade, mas eles tentam motivar ao máximo quem participa e realizam um trabalho de qualidade para quem frequenta.

O presidente disse ainda que a modalidade sempre teve apoio da prefeitura. Havia um convênio com a outra gestão para que o salário de um técnico e dois monitores fosse pago com esse auxílio. Até então, nunca havia faltado – mesmo em troca de gestões – porém, na administração atual o valor ainda não foi repassado.

“Ainda não estão ajudando, mas estão procurando uma maneira de dar o apoio para nós continuarmos nosso trabalho. Nós estamos nos virando, sem pagar monitores no momento. Se a prefeitura não ajudar, não der o apoio, a tendência é acabar”, explica Lindberg. A previsão de pagamento era até o mês de março, mas até o fechamento dessa reportagem os valores ainda não haviam sido repassados.

Jogadores e técnico apreensivos durante 14° Campeonato de Malha. (Foto: Jhessica Fernandes).

Rafael Henrique, 31, monitor de malha e bocha, disse que o auxílio que a prefeitura vem dando tem melhorado. No entanto, talvez o problema desses últimos repasses sejam por conta do início da administração. “Está difícil sair porque é novidade pra eles, mas acredito que vá ser bom”.

Em contrapartida, o monitor disse que todo patrocínio do campeonato brasileiro desse ano ficou por conta da prefeitura. Os visitantes ganharam alimentação e a hospedagem, que ficou dividida entre os hotéis Terrinos, nas Cigarras; Veleiro, do Pontal da Cruz e Guarda Mor,  no Porto Grande, próximo ao Clube da Malha.

Além disso, o Clube da Malha também oferece escolinha para todas as idades de forma gratuita, com lanche para os alunos. As aulas acontecem todas terças, quartas e quintas-feiras, com o horário dependendo da disponibilidade do aluno. Há monitores para os períodos matutino e vespertino.

Sobre o torneio

Placar de um dos jogos do 14° campeonato de malha. (Foto: Jhessica Fernandes)

São Sebastião foi palco do 14° Campeonato Brasileiro de Malha.  Os times participantes do campeonato que aconteceu dos dias 21 a 23 de abril vieram de vários locais, como, Rio de Janeiro, São José dos Campos, Minas Gerais e Mogi das Cruzes.

O time de São José dos Campos – ASSEM (Associação dos Servidores Municipais de São José dos Campos) conquistou a 14° Taça de Malha do Campeonato Brasileiro.

Luís Antonio Soares, 36, balanceiro, jogador e técnico de malha, relatou que a expectativa para o jogo era grande. “A Cidade é  sem comentários. O campo é excelente e a competição muito organizada, que é o que a malha precisa ultimamente”.

 

0 273
Aulas iniciaram em abril com mais de 60 artistas educadores nas Oficinas Culturais na SECTUR. (Foto: Jhessica Fernandes)

As Oficinas Culturais, em São Sebastião, atrasaram em quase um mês o início das aulas esse ano, prejudicando muitos alunos que as utilizam para passar o tempo e aprender habilidades novas. As aulas que deveriam ter começado no início de março, só iniciaram a partir de três de abril.

Segundo a assistente de pessoal da Secretaria de Turismo (SECTUR), Suelen Julio, o atraso se deve à reforma política e organizacional na secretaria; além disso, houve aumento no valor pago ao artista educador, que passou de R$18,50 para R$20,50 por hora/aula. Também houve problemas de infraestrutura em alguns centros comunitários.

Segundo a secretaria, as responsabilidades são divididas: a SECTUR é responsável pela gestão das oficinas culturais, porém a Fundação Educacional e Cultural Deodato Santana (FUNDASS), que fica localizada na própria Secretaria de Turismo, é responsável pelos pagamentos dos Artistas Educadores. Esta divisão de responsabilidades é outro motivo de atrasos no processo.

O reajuste de dois reais por hora/aula concedido aos 60 artistas educadores foi um dos motivos do atraso. Também foram inseridas diferentes modalidades e mais professores para aulas que traziam grandes demandas, como por exemplo, o grafite e a pintura.

Os centros comunitários que apresentam deterioração ou problemas estruturais, na sua maioria, estão assim desde o último ano, segundo Suelen. “No bairro Jaraguá, a Praça Pôr-do-Sol em Boiçucanga e o Centro Comunitário da Topolândia, que está parcialmente interditado, são alguns dos centros inutilizados”.

Em relação à abertura das aulas, Suelen confirmou que iniciaram no dia três de abril, com exceção das que dependem dos centros que estão interditados. Se não houver um espaço adequado para realização das aulas, elas serão realizadas em escolas. Sobre uma possível reforma nesses centros, ainda não há previsão.

0 179
Monitores em funcionamento no Centro de Operações Integradas (COI). (Foto: Jhessica Fernandes)

O diretor do Centro de Operações Integradas (COI), de São Sebastião,  Jean Washington de Oliveira, anunciou a ampliação do número de câmeras de monitoramento na cidade, ainda sem previsão de quantidade.  O município, atualmente, conta com 42 dispositivos do tipo em funcionamento, que cobrem desde o bairro Topolândia até o bairro São Francisco.

O COI, órgão ligado à Prefeitura, iniciou no ano passado o processo de instalação das câmeras em toda a cidade, com monitoramento 24 horas por dia, buscando trazer mais segurança aos moradores e turistas. Jean explica que as câmeras possuem uma tecnologia de detecção de movimentos, principalmente de carro e pessoas, voltadas para reconhecimento de objetos e contagem do fluxo de veículos.

O coordenador do COI, André Neto, acrescenta que as câmeras captam as imagens que são monitoradas em uma central por agentes de trânsito e guardas municipais, que também analisam e ficam de prontidão para garantir a segurança.

Neto explicou como funciona em caso de flagrante: “Pegamos a imagem do flagrante, acionamos a viatura via rádio, fazemos a detenção do infrator e, em seguida, o encaminhamos para a delegacia. O delegado, então, pega as imagens e faz a prisão em flagrante”. O procedimento auxilia também a própria guarda municipal, orientando-a através do rádio com informações sobre situações de risco, infrações e crimes em flagrante.

Agente de trânsito em trabalho de anotação das infrações ocorridas nas ruas da cidade. (Fotos: Jhessica Fernandes)

Os agentes de trânsito ficam 24 horas por dia antenados em infrações de veículos por toda a extensão coberta pelas câmeras. Além de exercerem um controle mais preciso no que se relaciona à questão da segurança, esses operadores têm a função de lavrar as multas ou em determinadas ocasiões acionar um agente de trânsito mais próximo do local.

O alcance das as câmeras é de até dois quilômetros de distância, com alta resolução e com giros de 360 graus, manual ou automático, programado de norte, sul, leste e oeste ou até mesmo para o movimento vertical de 180 graus, tudo sempre manuseado ou programado pelos agentes de trânsito.

 

 

OUTRAS NOTÍCIAS

0 29
O Centro Universitário Módulo inaugurou novos laboratórios para os cursos de Engenharia Civil e Engenharia de Produção, sendo a primeira instituição do Vale do...